Principal
   Notícias Gerais
   Esportes
   Informática
   Variedades
   Eventos
   Educação
   Guia Astral
   Agenda
   Cobertura de Eventos
   Nossa Cidade
   Mural de Recados
   Utilitários
   Contate-nos
   Concursos
 
 
 
 
 
 Login:
 Senha:
 
É impossível viver sem sentir dor?
05/09/07 às 10:07 h


De repente um aperto no coração, bem no centro do peito. Sem nenhum motivo aparente, sentimos uma espécie de desconforto e, em seguida, sentimos medo. Quanto mais resistirmos a essas sensações, mais apertado ficará nosso peito. Em momentos como esse, o melhor que temos a fazer é investigar com coragem o motivo dessa sensação. Por que afinal estou com medo? Por que meu coração está apertado? Qual o perigo real dessa situação? O que pode acontecer realmente? Todos nós sentimos alguma espécie de dor. Mas será que é impossível viver sem sentir dor?

A psicologia corporal profunda nos ensina que quando não sentimos nenhuma espécie de dor é sinal de que a estamos negando, e isso acaba por desencadear estados de ansiedade ou entorpecimento. É como se estivéssemos vivos pela metade. Toda experiência e crescimento humano é carregada de dor. Diz o ditado que crescemos por meio do amor ou da dor, no entanto, acredito que ainda nos encontramos em um estágio de evolução onde a ignorância prevalece sobre a consciência. E é a ignorância que nos leva a esse sentimento.

A palavra dor vem do grego pornos, que quer dizer dedicação ou esforço para se conseguir alguma coisa. Ainda vivemos sob esse paradigma, a lei do sacrifício ainda está impregnada em nosso inconsciente pessoal e coletivo. Em nossa ignorância, somos nós que criamos a dor. Vivemos em um mundo onde a lei da transitoriedade não é muito compreendida. Quando aprendermos que as mudanças fazem parte do próprio processo vital, ou seja, que vida é movimento, que todo processo de estagnação está próximo da morte, lidaremos com as crises de uma forma mais tranqüila e até mais amorosa para conosco.

A dor existe para resolvermos uma crise, que sempre é desencadeada quando nos recusamos a fazer as mudanças necessárias em nossas vidas. Toda energia que pede movimento, espaço para fluir, deve ser respeitada e esse espaço deve ser dado. Caso contrário, estaremos deflagrando um processo de crise. Quando nos negamos às mudanças, impedimos que esse movimento aconteça e, por conseguinte, impedimos o fluxo da própria vida. Cria-se dessa forma uma energia morta, como água parada, que apodrece e começa a nos fazer mal. Esse estado que criamos se chama dor.

Mas porque resistimos tanto às mudanças se sabemos que elas são inevitáveis e necessárias para o nosso crescimento? Simplesmente porque temos muito medo do novo, do desconhecido. Para algumas pessoas, infelizmente, todo lugar conhecido, por pior que seja, muitas vezes é melhor do que o desconhecido, permanecemos assim na zona de conforto. Mudar requer força, muitas vezes sacrifício, coragem e muito trabalho. No entanto, se você permanecer em um estado de estagnação, sua dor não cessará enquanto não fizer as mudanças necessárias, as mudanças que sua alma pede para a continuidade de sua evolução.

Portanto, quando o momento de crescer chegar, dê o primeiro passo que a própria vida mostrará a você o resto do caminho. Só não pode ficar parado com cara de paisagem, fingindo que não é com você. É com você sim e é preciso ter coragem para seguir adiante. Caso você escolha ficar sempre no mesmo lugar, não terá direito a reclamações ou queixas. A responsabilidade por sua vida e por suas escolhas é somente sua.

Normalmente, quando você decide pela mudança, metade de sua dor vai embora, você começa a sentir alívio. Isso acontece porque a dor nasce do conflito; sem conflito, não existe dor. Mas quando há conflito é necessária a consciência. Você precisa conhecer profundamente os motivos que o estão levando a um estado de dor. A dor é o resultado da luta entre a vida e a vontade de estagnação, ou seja, a força da "não vida". Por isso sempre falo a todas as pessoas da necessidade que temos em nos conhecer.

O autoconhecimento é o primeiro passo que damos em direção à consciência dos motivos que trazemos em nós e que são desencadeadores de dor. Ninguém deseja, ao menos conscientemente, sentir dor alguma. Por isso, minha proposta a você é que procure conhecer seus motivos, suas ações e reações, seus pensamentos e emoções o mais profundamente que conseguir. Somente dessa forma você poderá, já que todo processo de dor ainda é inevitável, tê-la sob seu controle e não o contrário.

fonte:: Terra Esoterico !


 + Matérias Relacionadas:

Marizete
Furbino
Prof. Administração e Parceira.