Principal
   Notícias Gerais
   Esportes
   Informática
   Variedades
   Eventos
   Educação
   Guia Astral
   Agenda
   Cobertura de Eventos
   Nossa Cidade
   Mural de Recados
   Utilitários
   Contate-nos
   Concursos
 
 
 
 
 
 Login:
 Senha:
 
Laptop ultrafino da Apple chega ao Brasil a partir de R$ 6.199
07/03/08 às 09:37 h


O MacBook Air, notebook ultrafino da Apple anunciado em janeiro, está disponível no Brasil em dois preços: R$ 6.199, pela distribuidora Greenmax, ou R$ 6.499, pela filial brasileira da Apple.

O Air foi anunciado durante a MacWorld, em janeiro, e chegou às lojas norte-americanas em fevereiro por US$ 1,8 mil em sua versão mais barata - a opção com processador mais veloz e um disco rígido extra é vendida por US$ 3.098.   

Segundo a assessoria de comunicação da Apple Brasil, o preço cobrado é equivalente ao valor em dólares (US$ 1,8 mil, ou R$ 3,17 mil), somado aos valores dos impostos. Essas taxas são consideradas as “vilãs”, que tanto encarecem no Brasil o preço dos eletrônicos importados.

 

O MacBook Air não tem drive leitor de CDs e DVDs, mas pode ser ligado a um drive externo, vendido como acessório oficial. Nos Estados Unidos, o drive custa US$ 100 - no Brasil, deve custar R$ 286, segundo a Greenmax. O drive é ligado ao computador pela entrada USB e pode ler e gravar CDs e DVDs.

O mais novo portátil da Apple tem 1,36 kg, tela de 13,3 polegadas e 1,94 cm de espessura quando fechado (sua parte mais fina tem espessura de apenas 0,4 cm). Para destacar a espessura inédita, a empresa apresentou o MacBook Air dentro de um envelope. 

A configuração inclui processador Core 2 Duo da Intel de 1,6 GHz, 2 GB de memória RAM e 80 GB de disco rígido. O notebook tem uma entrada USB, uma de áudio e uma micro-DVI. Além da ausência de drive de DVD, o Air também não oferece entrada Ethernet para conexão à internet a cabo - navegar na web, só através da conexão sem fio. A empresa promete duração de até cinco horas de bateria, que é lacrada e não pode ser substituída pelo usuário.

Primeiras impressões

 

Foto: Renato Bueno/G1
Air tem 1,94 cm de altura na parte mais alta e 0,4 cm na parte mais baixa quando fechado (Foto: Renato Bueno/G1)


Nesta quinta (06), o G1 teve oportunidade de usar o "notebook mais fino do mundo".  O tempo curto não permitiu verificar se a bateria dura as 5 horas prometidas pela Apple, mas foi suficiente para justificar a expectativa criada sobre o design inovador do computador.

Ele é leve, fino e fácil de manusear. Mas também causou polêmica: "revolucionário" para alguns, "insuficiente" para outros, o notebook dividiu opiniões nos EUA, e não deve ser diferente no Brasil. As dimensões reduzidas facilitam o transporte, mas a falta de recursos como o leitor de DVD pode ser um obstáculo ao usuário mais exigente.

Quando fechado, o Air pode ser facilmente confundido com uma pasta - ele tem 1,94 cm de altura. Quando aberto, revela a câmera e o microfone embutidos acima da tela de 13,3 polegadas, o teclado padrão MacBook Pro e o painel de navegação com a tecnologia Multi Touch.

Inaugurada com o iPhone, essa função permite aplicar zoom em uma página, rotacionar fotos e arrastar telas com o movimento dos dedos, de maneira intuitiva. Em alguns casos, é mais prático do que utilizar um mouse (que precisaria ser ligado à única entrada USB do notebook).

Quem está acostumado com máquinas portáteis mais pesadas pode ter dificuldade nos primeiros instantes para equilibrar o computador "leve demais" (1,36 kg) e executar ações como edição de fotos pelo painel sensível ao toque.

O desempenho do Air é inferior ao dos notebooks da linha Pro da Apple, mas garante conexão sem fio à internet, edição de fotos e utilização de recursos de áudio e vídeo. Segundo a empresa, é isso que seu público quer.

Acessórios como o drive de DVD externo, a possibilidade de utilizar o drive de outros computadores e acessar o "centro de backup" Time Machine tentam compensar algumas "falhas" do MacBook Air. E, apesar do design inovador, que facilita o transporte, o notebook mais fino do mundo ainda deixa uma leve impressão de ser fisicamente frágil.

Fonte: G1 o Portal de Noticias da Globo


 + Matérias Relacionadas:

Genilton
Ferreira
Administrador do site
e Redator