Principal
   Notícias Gerais
   Esportes
   Informática
   Variedades
   Eventos
   Educação
   Guia Astral
   Agenda
   Cobertura de Eventos
   Nossa Cidade
   Mural de Recados
   Utilitários
   Contate-nos
   Concursos
 
 
 
 
 
 Login:
 Senha:
 
Software 'democrático' transforma convidados em DJs de festa
23/01/08 às 08:13 h


Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (EUA), criaram um software que tem como objetivo impedir a predominância de um único tipo de música nas festas. Para colocar essa meta em prática, o sistema Smart Party (festa inteligente) “rouba” os arquivos musicais dos convidados e os toca aleatoriamente, garantindo a satisfação de todos – gostem eles de rock, pop, tecno ou qualquer outro ritmo.

O software, que deve ser instalado em um computador central na festa, captura as músicas de dispositivos com tecnologia Wi-Fi (sem fio). Por enquanto, afirma a publicação “New Scientist”, o sistema só recebe arquivos de laptops que contenham um programa específico para realizar a transferência para o PC central, conectado a um amplificador e alto-falantes.

Mas como notebooks podem não ser muito práticos em festas, o objetivo é fazer com que esse “DJ automatizado” receba dados de tocadores portáteis, desde que esses acessórios realizem transferências sem fio. O PC pode identificar e selecionar os gêneros mais populares ou tocar todas as músicas, de todos os estilos, fazendo uma seleção randômica.

“No atual estágio de implementação, todos os votos têm o mesmo peso. O aparelho de um convidado pode propor heavy metal, enquanto o outro sugere pop”, afirmou Kevin Eustice, um dos autores do projeto, à “New Scientist”. Ele e o pesquisador Peter Reiher implementaram o Smart Party em três salas do departamento de ciência da computação da universidade, para poderem testar o protótipo criado em parceria.

O programa também identifica a localização dos convidados com o uso de uma ferramenta de triangulação de sinais sem fio. Assim, é possível saber quando alguém deixou a festa, eliminando da lista de músicas a serem tocadas os sons favoritos daquela pessoa que já saiu.

 Polêmica

A “New Scientist” lembra que a novidade pode causar polêmicas relacionadas aos direitos autorais. Isso porque, quando puxa os arquivos digitais de um convidado, o computador central os grava temporariamente antes de tocá-los. Isso pode ser classificado como pirataria e criar uma reação da indústria fonográfica.

“Poderíamos optar por conteúdo livre de direitos autorais, mas esse não é um cenário muito realista”, disse Eustice, que diz estar trabalhando para definir como resolver esse problema.

 

Fonte: G1 o Portal de NOticias da Globo


 + Matérias Relacionadas:

Genilton
Ferreira
Administrador do site
e Redator