Principal
   Notícias Gerais
   Esportes
   Informática
   Variedades
   Eventos
   Educação
   Guia Astral
   Agenda
   Cobertura de Eventos
   Nossa Cidade
   Mural de Recados
   Utilitários
   Contate-nos
   Concursos
 
 
 
 
 
 Login:
 Senha:
 
Deputado Eduardo Amorim defende cotas para mulheres na reforma política
20/06/07 às 08:28 h


Hoje, a partir das 9h, tem continuidade o seminário internacional “Trilhas do Poder das Mulheres - Experiências Internacionais em Ações Afirmativas”, realizado pela Comissão de Legislação Participativa, da Câmara dos Deputados, em parceria com outras Comissões e instituições nacionais e estrangeiras. Na solenidade de abertura, realizada ontem, o presidente da CLP, deputado Eduardo Amorim (PSC-SE), destacou a importância de se discutir o poder da representatividade feminina, no momento em que a reforma política está sendo votada pelo Congresso.


“A Comissão de Legislação Participativa deve e pode assumir os compromissos de socializar as informações e reflexões referentes à temática mulher e poder, e difundir as experiências das mulheres em posição de poder; sensibilizar e estimular as mulheres para a participação política; subsidiar as parlamentares para a realização de eventos regionais de apoio e estímulo às candidaturas de mulheres, e definir estratégias para ampliar a presença de mulheres em posições de poder”, defendeu Amorim em seu pronunciamento.


Esse Seminário insere-se num amplo processo de discussão e análise sobre as experiências exitosas de ações afirmativas internacionais como mecanismo de ampliação da participação das mulheres nos organismos do legislativo. As integrantes da bancada feminina do Congresso Nacional afirmaram que as mulheres representam 51% do eleitorado brasileiro, mas ocupam menos de 10% das vagas na Câmara. Para ampliar o percentual de representação, a bancada defende a discussão do tema no âmbito da reforma política.


Hoje o Brasil vive um momento muito especial de discussão sobre a necessidade de uma reforma política. das mulheres participarem como coadjuvantes e sim como protagonistas da vida política. “Não faço referência a apenas se filiar a um partido ou ser candidata a um cargo eletivo, mas, principalmente, participar da luta social e da política, de modo geral. Desta forma, as cotas são necessárias e importantes, mas a forma como os partidos têm incorporado a luta das mulheres por maior representação política, ainda é um caminho de longa estrada”, disse Amorim.


A realização do evento é uma parceria do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher - NEIM/UFBa, Agende Ações em Gênero Cidadania e Desenvolvimento - AGENDE, Projeto Mulher e Democracia/Casa da Mulher do Nordeste com a Bancada Feminina no Congresso Nacional e as Comissões de Legislação Participativa - CLP, de Seguridade Social e Família - CSSF, de Direitos Humanos e Minorias - CDHM, de Constituição e Justiça e de Cidadania - CCJ da Câmara dos Deputados.
Humberto Jr:


 + Matérias Relacionadas: